Oração do ágape

Permita, Pai da Criação, que eu ande conforme o teu amor, que tudo crê e espera, e que, portanto, eu não trate o meu próximo com desconfiança; que eu, do mal, não me ressinta, mas que seja benigno, que seja paciente, e que eu não me irrite nem me porte de maneira inconveniente, e que, portanto, eu não critique nem recrimine a ninguém, que eu não murmure nem me queixe do meu próximo; que eu ande conforme o teu amor, que não busca os próprios interesses, e que, portanto, não é lascivo nem avarento; que eu não zombe nem escarneça de ninguém, pois o teu amor não se envaidece nem é altivo; que eu ande conforme o teu amor, que não arde em ciúmes, que não se alegra com a injustiça, mas que regozija-se com a verdade. Ajuda-me, Soberano dos espíritos, a aceitar que meu amor é falho, mas que, vivendo em obediência aos teus ensinamentos, será aperfeiçoado.

O alto preço do pecado

Ele só foi Cordeiro porque haviam pecados para serem expiados. Ele só é Sumo Sacerdote porque a humanidade precisa de um Mediador. Ele só foi Cordeiro perfeito porque cumpriu a Lei. Ele só é Salvador porque o indivíduo não consegue guiar-se à vida eterna. Ele é o ápice do laborar divino entre os homens, que começou com Abraão, depois Moisés e os profetas. Interpretar o Ungido fora do seu contexto social e espiritual, é comparável à suposição de que o ser humano é capaz de aprender a falar sozinho, pois a Lei e os profetas foram um terreno fértil para a sua manifestação. A Lei e os profetas fundamentam seus ensinamentos, que são uma respeitosa continuação do que fora iniciado por seu Pai antes que viesse. Tanto que, quando falou dos dois Mandamentos, fez referência à Lei e aos profetas, que se cumprem em amar ao Criador e ao próximo. Ele nos libertou do jugo da Lei, mas também deixou claro que é eterna.

Toda religião que se apropria do Messias desvinculando-o de sua origem judaica não é de fato cristã, porque difunde práticas abomináveis que o Filho, como alguém muitíssimo obediente ao seu Pai, não adotou nem nunca adotaria. Ainda mais se a tal religião desfigura o Sacrifício feito para cumprir a Lei e livrar a humanidade da condenação que esta garante aos desobedientes do Evangelho Apostólico. Todas as condenações da Lei foram crucificadas através da Sua carne, não para liberar a transgressão, mas para, entre outras conquistas, mostrar a todas as gerações o alto preço do pecado.

A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.

Lucas 16:16,17

#EuNãoVouTomar

Não faz sentido. As pessoas têm medo de altura, quando não, de lugares fechados, ou de insetos que nem venenosos são. As pessoas tomam cuidado ao atravessar a rua, ao lidar com eletricidade, e nem pensam em brincar com fogo. Algumas não gostam de comer em botecos porque, por mais ácidos que sejam seus estômagos, não confiam na higiene do estabelecimento ou de quem preparou os alimentos. Já outras pessoas, preferem não andar de avião por motivos óbvios e entendem os riscos de uma viagem rodoviária um pouco mais longa. Há também quem tenha medo de se afogar por não saber nadar, ou por entender um pouco de correntes marítimas. Tem gente que vive preocupada com seus filhos andando por aí à noite, enquanto outros vivem preocupados com seus pais, que deveriam beber mais água, pegar mais sol.

Continuar lendo “#EuNãoVouTomar”