Antes de dizer adeus

Antes que um de nós se vá, preciso dizer que foi bom estar com você, mesmo sentindo dores na alma quase o tempo todo, mesmo demorando para aprender da gratidão o contentamento incondicional, foi bom ouvir você se abrir, perceber a sua alegria, ver você melhorar como pessoa, enquanto também pude aprender, muito do que precisava, contigo. Mas antes de dizer adeus, preciso dizer que todo amor que encontrar, será pelo menos um pouco falho, exceto por aquele que marcou a história muitos séculos antes de nascermos; preciso dizer que os poderosos deste mundo amam o poder mais do que as pessoas e a mentira mais do que a si mesmos; preciso dizer que cada indivíduo é naturalmente livre e vigia do próprio corpo, desde que não se deixe marcar com um número de série, desde que não se permita à adulteração dos próprios genes, pois todo transgênico é um organismo de propriedade dos seus criadores, não mais naturalmente livre.

Continuar lendo “Antes de dizer adeus”

Origem e propósito

Houve um tempo, quando prosperava com seu pai de criação e com seus irmãos por parte de mãe, em que o Nazareno teria recebido a chocante revelação do futuro da sociedade humana, marcada pela corrupção e domínio do mal. Babilônia, Pérsia, Grécia já haviam escravizado a humanidade, e agora Roma controlava, por meio de acordos espúrios, até o povo escolhido por seu Pai, a quem este confiara a Lei e os profetas. Foi quando, podemos supor, o então carpinteiro entendeu por inspiração divina que os homens entesouravam para o fogo, laboravam para o vento de um governo oposto ao celestial. O homem, após a infância, se desvia quase que sem exceção de sua origem e propósito, aplicado em viver naturalmente, em manter-se neste mundo, colabora para a chegada do filho da perdição, pavimentada desde a torre de Babel: empreitada precoce reprovada pelo Criador.

Continuar lendo “Origem e propósito”

Apprentices in practice: only children are heirs

When the Nazarene said that no one should call it a father, its historical context was much earlier than industrialization, and its listeners were of the chosen people in the Old Covenant. But what is beyond the knowledge of many is that at least the prophets of that people used to have young proselytes whom they called children, because before industrialization, every young man who spent his days with an adult (whether his father of blood or not) was his son, that is, his apprentice. And this is the meaning of son expression in many New Testament texts.

Continuar lendo “Apprentices in practice: only children are heirs”