Perdão por perdão

forgivenessAquele que não perdoa, acorda para a ressurreição do juízo, porque espera pela condenação de seus acusados, e sendo julgado com a mesma medida, reconhece tardiamente a dívida que todos possuíam para com a perfeição, mas que fora anulada, perdão por perdão, primeiro aquele dado para a salvação, e depois aquele praticado por quem a recebe, o qual não passa por julgamento, porque submete o próprio coração à aliança do justo pelos injustos, da generosidade manifesta tanto na criação do homem, quanto na sua restauração. Aquele que perdoa recebe o perdão, a orientação para permanecer obediente, em correção e aperfeiçoamento celestiais. Contudo, se nos apertar o peito, se nos doer o orgulho, temos a quem pedir ajuda, sendo este o Pai de toda compreensão, e respeito à liberdade, no qual podemos nos espelhar, porque também tolerou nossas faltas, nossas malícias, não nos comparando a ninguém, mas dando chances de arrependimento para a desonra de seres invisíveis que procuram confundir e prejudicar a todos nós, dos quais já fomos prisioneiros pela teimosia tanto no ressentimento, quanto na cobiça, que enchiam nosso íntimo de sofrimentos e desejos insanos. Portanto, recebendo os meios para nos desviarmos do mal inerente a este corpo, suportaremos, debaixo de luz gloriosa, o mal inerente à sociedade e aos que têm apenas nesta, um parâmetro incompleto de vida, corrompido pela mentira e por toda desvirtude aparentemente incorrigível. Ao que detêm toda a sabedoria e entendimento, acima do qual nenhum outro existe, o reconhecimento e a gratidão para sempre.

Anúncios

Tolerância binária

Das pessoas de perto, tolero quase tudo, e muitas vezes com um sorriso no rosto, tolero que me questionem: afinal ninguém está acima do bem e do mal; tolero que me insultem: mesmo porque todo insulto, ou é superficial (daqueles feitos na hora da raiva), ou terá algo a ensinar, se for realmente pessoal; tolero até que me queiram mal, que me amaldiçoem, ou que falem o que de fato pensam de mim a terceiros, pois estou ciente de que nem sempre me importo em agradar. Então tolero que me invejem por qualquer bobagem, que me ignorem pelas nossas diferentes maneiras de viver e ver a vida, que ajam como se fôssemos próximos, ou que se aproximem um pouco mais apenas por algum interesse momentâneo e leviano.

Contudo, não tolero por muito tempo, que agridam minha sanidade, que desrespeitem minha inteligência, que prejudiquem minha cognição, mentindo, e muito menos dissimulando para mim. Não tolero o ser tratado com inferioridade ou astúcia, afinal todos, de qualquer idade, estamos neste mesmo planeta. Tolero que riam, que escarneçam de mim, desde que possam me mostrar qual a graça, para que eu, rindo ou não, possa aprender com o humor de quem me quer bem. Tolero até que me elogiem procurando desmerecer, mas não tolero o desmerecimento displicente ou insincero. A discordância aprumada de quem ouviu bem para argumentar bem, o juízo de caráter de quem não procura se colocar acima, mas se importa o bastante para corrigir? Estas coisas não tolero, mas celebro.

Recebemos o Cordeiro

Friends

Dele recebemos o perdão que podemos dar aos outros, pois se foram injustos conosco, antes fomos injustos com Ele. Dele recebemos a resposta que os nossos caprichos escondem. Dele recebemos a ternura que paramos de desenvolver. Dele recebemos o entendimento para amar mais, e o respeito para amar sempre. Dele recebemos a força que aplicamos nas prioridades erradas. Dele recebemos uma chance de crescer para o bem, e de aos poucos morrer para o mal. Dele recebemos a sabedoria que diminui os sofrimentos, que aumenta a nossa utilidade para os outros. Dele recebemos a capacidade de questionar, e de encontrar respostas para quase tudo. Dele recebemos o caminho para a eternidade.

Dele recebemos milagres, curas e ensinamentos que mudam nossa forma de perceber o mundo, as pessoas e o nosso papel. Dele recebemos a luz que nos orienta para fora da sombra passageira das coisas daqui. Dele recebemos o discernimento e a ousadia para melhorarmos como pessoas do bem. Dele recebemos a imparcialidade no lugar do engano, a humildade no lugar do julgamento, a honestidade no lugar do medo, a cordialidade no lugar da superioridade, a coragem no lugar da infelicidade.

Dele recebemos as pessoas que nos querem bem, que cuidam da gente como cuidam de si. Dele recebemos as alegrias sem cupom fiscal, os momentos mais simples e gratuitos, os sonhos de fraternidade, os talentos e qualidades que ajudam os outros.

Somos todos ricos da sua graça, fartos dos seus afetos silenciosos, contentes pela chance de sermos seus parentes, e com o merecido empenho, seus amigos.