Os laços entre o egoísmo e a incredulidade

Quando alguém declara não crer em qualquer forma de vida além desta, quando argumenta que só existe vida por causa do corpo, ou que da morte ninguém jamais retornou (o que não é verdade), e assim por diante, podem surgir, da parte de quem ouve, as seguintes perguntas: “mas e quanto aos bebês que viveram por dois ou três anos, e faleceram? Sendo esta a única vida, então foram desprivilegiados? E quanto aos que cedo foram mortos ou fisicamente lesados para toda a vida, quer por outra pessoa, quer pela ambição dos grupos de pessoas, mereciam este fim? Se a única justiça da qual podemos esperar é a terrena, como serão recompensados os que partiram tão injustamente? E não havendo justiça fora desta vida, então compactuamos na prática com as desigualdades sociais, com os enriquecimentos ilícitos, com as regalias e as misérias, ambas absurdas, do país onde moramos?”

Não há quem possa responder honestamente a estas perguntas sem considerar a justiça eterna. Deste ponto em diante, percebe-se que a incredulidade está diretamente ligada com o egoísmo, com a vida mais ou menos confortável, mais ou menos abastada, mais ou menos ocupada, mais ou menos longa, que vivemos lado a lado com os extremos absurdos já nomeados. Ou seja, torna-se fácil, mas igualmente sem alma, “a recusa” da justiça aos que passam fome, enquanto se está farto; “a recusa” da justiça aos que faleceram cedo, enquanto se tem saúde. Enquanto “no seu lugar, na sua pele” a vida até faz algum sentido, mesmo não crendo em nada além, “no lugar de muitos outros, na pele de quem sofre o pior deste mundo” a vida não faz sentido. Portanto, a incredulidade rebelde ou não, o ceticismo obstinado ou não, possui por plano de fundo a autopiedade (de ocorridos bem ruins ou de escolhas que ainda causam sofrimento), a insubmissão (de autoridade exercida injustamente) e a conformidade com o mal apresentado, ensinado, difundido e reforçado pela sociedade.

Como esperar por um “plano melhor” enquanto o atual se mostra ótimo, enquanto quaisquer abstenções, senão recompensas, são experimentadas? Desta maneira, como ir para o céu, negando-o por tabela ao descrer do tártaro, vivendo como se nem um e nem outro existissem? O mesmo se aplica aos que professam o ressurrecto e assunto aos céus, mas que, não apenas por doutrina e sim por apego ao mundo, descreem que podem ir, ainda em vida, para o mesmo lugar aonde ele está.

Anúncios

Correspondido e incompreendido

“Não convém reclamar ao prisioneiro o arrastar de suas correntes” foi o que aprendi com o Primeiro e o Derradeiro, acredito. Se olharmos para esta sociedade, se ouvirmos o que ensina desde sempre, entenderemos a sandice, a limitação dos que, como nós no passado, não obedecem; são muitas as armadilhas, as ilusões que impregnam o ser humano que se opõe às verdades altruístas, imparciais e consequentes das boas novas, o que resulta em injustiças, perversões, astúcias e pretensões que já conhecemos na carne; somos todos capazes de males, quer para proteger um inocente, quer pela dor emocional que outrem nos cause, quer por receio, quer por convicção. Tudo vai da índole de cada um, e digo no sentido etimológico desta palavra tão enevoada, que significa “alimentar internamente” na sua origem latina.

Então notamos facilmente que esta sociedade está realmente “programada” para induzir ao erro, a alimentar o “leão mau” daquela estória popular, não bastasse a inerente fraqueza da carne que em parte nos inclinaria para o mal, a despeito das melhores educações ou tradições, relações ou convicções. Por isto mesmo que um dos apóstolos na fé esclareceu com firmeza, que amando a sociedade, estaremos distantes de quem nos criou, porque da sociedade procedem somente cobiças e presunções que obscurecem seus detentores, ao passo que da Matriz humana, procedem aquelas virtudes mais almejáveis, admiráveis e memoráveis, porquanto humanas e boas para todo homem.

Todavia, como lidar com o “barulho” que perturba nosso “silêncio” interior (ou a maldade que põe à prova nossa bondade), sem se contaminar? “Não peça a quem está no escuro, às apalpadelas, que corra uma maratona” foi o que creio ter recebido Daquele que esteve morto, mas que está vivo para sempre. Para conviver, não basta perdoar, é preciso se posicionar honestamente em face das diferenças, não esperando luz na forma de fidelidade, honestidade, cordialidade ou generosidade, de quem tem visto e imitado escuridão (como muitos de nós fizemos um dia), lembrando que todos são chamados a se converterem de seus maus caminhos. Sendo assim, um outro apóstolo falou bastante em suas epístolas do amor entre irmãos, dando prioridade ao novo mandamento, exatamente porque estes se encontram voluntariamente sob uma mesma regência.

“Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé.” Carta de Paulo aos Gálatas 6:10

“Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros.” Evangelho segundo João 13:34-35