A malícia em súmula

“O amadurecimento e a malícia não são diretamente proporcionais.”

Esta talvez seja uma das primeiras coisas que se aprende aos pés de quem nos quer sãos. Nascido numa cidade onde a esperteza é tratada como virtude, a renúncia da malícia se tornou essencial na minha conversão, e hoje entendo melhor o que foi realizado em mim: uma obra de amor (ágape), já que “o perfeito ágape lança fora todo medo” e que a malícia, assim como a preocupação, são expressões de medo. No caso da malícia, geralmente acompanhada da perversidade, há um “receio” quase permanente de inferiorização, num reforço ao orgulho egoico. E para garantir que serei interpretado corretamente, não me refiro aqui à malícia sexual, mas àquela que convém, a todo ser realmente humano, eliminar do seu trato nos relacionamentos. Também não me refiro à perca da consciência do bem e do mal, geralmente chamada de maldade, mas à proposta de outra frase já publicada (em agosto de 2016) sobre o mesmo assunto:

“Para diminuir a malícia adquirida, basta não praticá-la.”

Continuar lendo “A malícia em súmula”

Convite do Casamento

É com indizível satisfação que convido você e sua família para o casamento mais importante da história! Isto não é uma brincadeira e nem uma proposta religiosa. Permita-me explicar melhor. Desde os primórdios muitos sábios surgiram e foram imprescindíveis para a sua época, alguns da realeza, outros da plebe, trazendo mensagens que alteraram o estado dos corações, e assim, várias sociedades mudaram de direção. Ainda assim, faltava aos povos, cada um com seus deuses, mais do que uma carta de intenções, mais do que ditames, mais do que mitos heroicos ou ideologias úteis por algum tempo; faltava ao indivíduo transcender a certeza da própria morte, causadora de muitos horrores, inspiradora de sandices e mantenedora de crenças absurdas. Até então prevalecia a força, a escuridão e o medo.

Continuar lendo “Convite do Casamento”