Parábola das sementes misturadas

O pai fazendeiro, de sua grande casa, deu a seus dois filhos da mesma idade uma boa casa com infindáveis terras para cada um, e uma trouxa de sementes para cada um. As sementes, porém, estavam totalmente misturadas e os dois filhos não sabiam diferenciar as sementes. Então um dos filhos, empolgado com sua liberdade, saiu a semear de todas as sementes, mesmo sem saber bem o que estava plantando. Já o outro filho, sabendo da experiência de seu pai com o cultivo, o procurou dia após dia para saber tanto o que estava plantando quanto como iria plantar cada uma. Passados alguns meses, o terreno do filho empolgado estava repleto de espinheiros, e quase nenhuma árvore boa vingou. E o terreno do outro filho era como o jardim do Éden, repleto de árvores frutíferas, flores e mel. Cada um deles teve de colher sozinho o que plantou.

As aparências enganam

Há bem que parece mal, e há mal que parece bem.

Para o filho que fica de castigo, parece mal, mas é bem. Para os pais que não disciplinam sua filha, parece bem, mas é mal. Está escrito que há caminhos que parecem bons, mas que acabam levando à morte. Já o ditado popular reza que as aparências enganam, e é verdade. Então “por trás de um bem ou mal relativo, há sempre um bem ou mal absoluto” que sustenta a realidade composta de essência e aparência, interior e exterior, estrutura e fachada, que precisam ser harmônicas, do contrário, se a edificação for mais pesada do que o alicerce pode suportar, com certeza não vai durar. Daí a preciosidade da Referência que, como uma Rocha, nos permite crescer sob a instrução de certos e errados bastante precisos, os quais fortalecem nossa essência.

“Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, YHWH, faço todas estas coisas.” Isaías 45:7