Hombridade

Para os outros não sei, mas para mim ter hombridade é reconhecer seus erros a quem de direito, sem medo ou orgulho; é resolver os problemas como homem, sem birra ou drama; é não torcer o certo nem o errado a seu favor, tendo palavra, tendo humildade. É ter razão e estar errado com a mesma pujança; é ter certeza de que, o que plantar, vai colher. É pagar o que deve, é não trair nem enganar, é não mentir nem dissimular. Não é um presente, é uma escolha, é o encargo de honrar, ainda que falho, suas calças, seu nome. Requer mais índole do que caráter, mais nobreza do que educação.

A hombridade não depende de conquistas materiais, muito menos de rudeza, mas dos inegociáveis valores da dignidade humana postos em prática. A hombridade a ninguém torna infalível, mas para tê-la é preciso ser corrigível.

Feliz anteontem

O amanhã será melhor sim, seja em um novo dia, semana, mês ou ano, será melhor para quem mudou, para quem parou de mentir, para quem parou de negar os próprios sentimentos; será sim melhor para quem procurou crescimento, para quem semeou muito mais bem do que mal, tendo reconhecidos os deslizes que se tornarão em experiência. Para quem, por vezes, falhou em amar, mas se esforçou diariamente em superar as diferenças, sim, será melhor, e melhor sempre será para quem se arrepende, para quem confessa, para quem aceita ser separado do mundo e, estando do outro lado, contra a corrente, ser tachado de louco, chamado de crente. Porque para este povo não importa tanto o que acontece, mas o que o seu Libertador está fazendo, o que estão aprendendo com as Escrituras e com os irmãos, o que estão fazendo desta oportunidade chamada vida.