Fraqueza & Afeição

Não adianta, o nosso amor é falho: toda vez que invejamos, que perdemos a cabeça ou até nos vangloriamos em comparação a alguém, quando falamos mal ou não esperamos o bem de alguém, e até quando os ciúmes ou os ressentimentos obscurecem a razão, não estamos amando. E o problema não é sabermos que somos falhos em amar, o problema é pensarmos que amamos quando não, é vivermos como se apenas os outros não amassem. O amor ao próximo não é uma utopia ou um privilégio de poucos bem criados, é uma jornada e, acima de tudo, um exercício para todos que têm abertos os seus olhos tanto para a fraqueza nossa, quanto para o poder de quem nos criou por generosidade e afeição.

Anúncios

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.