Males da modernidade: a fraqueza da independência

Muito antigamente, antes da revolução industrial, éramos menos independentes, porém bem mais fortes. Desde então, nos foi dito repetidamente que a independência (ou morte) vale a pena. Será?

Pensando bem, desde o princípio, os filhos dependiam dos pais para aprenderem um ofício, os pais dependiam dos filhos para sobreviver à idade avançada, as mulheres dependiam dos homens para terem um lar, os homens dependiam da mulher para terem filhos, etc. Toda dependência ainda é um sustentáculo de força, uma definição de papel, um manifesto de autoridade. O senso profundamente humano de contínua permanência, não apenas dos dados genéticos, mas da cultura enquanto selo de superação e crescimento individuais, realmente valiosa, transmissível por meio dos vínculos entre as pessoas, foi perdido no empoderamento de grupos que dividem o núcleo social mais importante, enfraquecendo suas interdependências naturais.

Noutras palavras, as instituições, os movimentos e as revoluções tomaram, de assalto ou sutilmente, o poder das famílias, que agora dependem terrivelmente e tão somente de estranhos para existirem.

Obviamente que apenas existem, tratando-se meramente da extensão psicossocial dos grupos, sejam estatais ou os privados, os quais regem inúmeros aspectos da vida cidadã, quase autômata, regrada a pressões e valores desumanos. Ao passo que, as famílias de verdade, tinham consigo alguns traços do paraíso moderado, abundante em afeto e respeito, que permeava toda a parentela e os ancestrais em suas ações, separadas o bastante das forças centrais de domínio, das bestas, as quais regem sem dó, amontoados disformes de pessoas que não podem, senão acompanhar a maioria, sem pensar no que poderiam, se assumissem todo o dever.

Anúncios

Um pensamento sobre “Males da modernidade: a fraqueza da independência

  1. Muito interessante a estruturação da dissertação desta crônica, que enfatiza o poder industrial que transformou e faz a co-relação com a família, sendo que os males da independência como indivíduo estão ligados a desestruturação familiar e sendo que o indivíduo pertencente a este grupo social ( sociedade ), que pode através de seus atos causar efeitos positivos ou negativos no todo.
    Analisar a palavra, “besta”, poder de manipular e conduzir o empoderamento dos mesmos, causa divergência como força maior , onde seres alienados não tem visões e certames entre o bem e o mal.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s