O segredo do grande irmão

big_brother
Se você tem um amigo CDF, já deve ter ouvido falar do conceito de “Big Brother” no sentido de uma inclinação social moderna à vigilância de pessoas comuns, o que de fato acontece, não como no romance e longa metragem “1984” de George Orwell (no qual foi criado o personagem do grande irmão), mas como um mercado de preferências pessoais negociadas entre corporações. Não abordarei este ponto considerando a quantidade de materiais disponíveis online sobre tecnologias de informação relacionadas à vigilância, geolocalização, cruzamento de dados, biometria, etc. O que direi é que ao usar este ou aquele serviço (apps ou sites), você está aceitando termos dos quais nem eu e nem você tomamos conhecimento, mas que incluem certo grau de invasão a favor do usuário ou do fornecedor daquele serviço.

Até aqui, nenhuma grande novidade para a maioria dos usuários mais atentos, mas como você já deve ter percebido, uma cultura de exibição tem sido criada em nós, no sentido de que por mais pessoal ou efêmera que seja a experiência, esta precisa ser colocada publicamente para que, entre outras coisas (mesmo sem que saibamos), os outros se regulem através de nós, neste que talvez seja o maior movimento de uniformização do pensamento (e de conceitos como o bom senso e o humor, cada vez menos autênticos, e cada vez mais estereotipados). Mas também não abordarei além deste ponto, o aspecto psicossocial das redes sociais. O que direi é que algumas destas redes têm condição de saber mais sobre nós do que todos os nossos amigos e parentes juntos, até porque nós conversamos com eles por lá, não é mesmo?

Considerando então, os aspectos mercadológicos, tecnológicos, culturais e psicossociais deste questionável mundo de sempre, apontando suas direções para um proeminente governo global (que vem sendo preparado desde antes da primeira grande guerra), e diante das experiências ditatoriais na Rússia, Alemanha e outros, que inspiram os Estados Unidos a terem não apenas uma conhecidíssima agência de espionagem (ou de inteligência, se prefere), mas um programa de monitoramento e de delação entre civis (aparentemente a subdivisão denominada “Citizen Corps” do seu Departamento de Segurança Interna). Aí você me pergunta: o que eu tenho a ver com isso, se não moro nos Estados Unidos? Bem, como eu te falei, uma cultura de exibição está sendo gerada, e não apenas de exibição por vontade própria, mas de delação e exposição (ao ridículo) do outro, no reforço de um hábito (de desunião entre iguais), que em estruturas sociais de menor liberdade (a despontar no horizonte de uma nova ordem), será essencial para a manutenção de poderes desumanos, assim como já pode ser bem desumana a perturbação de ter sua honra ou imagem denegrida para todos os espectadores conectados (a apps como o “Secret” que foi proibido em nosso país), o que é a forma mais descerebrada de colaborar com um mundo futuro onde seus vizinhos e mesmo parentes podem se tornar um meio para tirar sua paz e mesmo sua vida (o que já aconteceu no passado, com um débito de mortos aos milhões).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s